Qual a diferença entre café Superior, Tradicional e Gourmet?

Hum, aquele cheirinho de café logo de manhã, tarde, noite…Dá aquela vontade, não é mesmo?

Não temos dúvidas que o café é uma paixão nacional: prova disso é um estudo encomendado pela Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) que confirma que o café é uma das bebidas preferidas da população brasileira e que os índices de consumo estão se consolidando.

De acordo com a pesquisa, realizada em 2010, 97% dos entrevistados revelaram que haviam consumido café ao menos uma vez ao dia. Apesar da preferência por um café do tipo especial, muitas pessoas ainda se confundem no que se refere aos tipos de café existentes hoje no mercado. Por isso, explicaremos quais são as diferenças entre os três tipos de café: Gourmet, Superior e Tradicional.

Além de ser um consumidor de “carteirinha” de café, o brasileiro também precisa de informações confiáveis do mercado e da qualidade da bebida que consome. Para suprir essa deficiência a Abic decidiu criar, em 2004, o Programa de Qualidade do Café (PQC), que sistematiza a qualidade para, entre outros objetivos, informar de uma maneira simples para o consumidor.

Em 2007, o PQC se dividiu com o lançamento das categorias de qualidade: tradicional, superior e gourmet. De acordo com o programa, o perfil do sabor identifica sete características do produto: bebida, torra, moagem, sabor, corpo, aroma e tipo de café.

A escala sensorial para a qualidade global do PQC é uma escada de 10 pontos, em que cada café analisado recebe uma nota. Quanto maior a nota, melhor o café. O nível mínimo corresponde a 4,5 pontos (qualidade recomendável). A qualidade da bebida é avaliada sensorialmente por provadores experientes e treinados.

Café Tradicional

O tipo tradicional tem o mínimo de qualidade aceitável. Além da pureza, esses cafés apresentam defeitos em até 20% do seu blend. Isso significa que um quinto do café tradicional embalado pode conter grãos verdes ou defeituosos que podem prejudicar o aroma e sabor do café. Todos os cafés submetidos à audição da ABIC são enviados para vários provadores que fazem a análise sensorial. Eles dão notas e se a pontuação for entre 4,5 e 6 a marca pode ganhar o selo de qualidade tradicional.

Café Superior

Pureza e adequação da ficha técnica são normas obrigatórias de qualquer bom café. Os cafés classificados como superiores apresentam somente 10% de grãos defeituosos e recebem o total entre 6,0 e 7,3 em relação à pontuação global. Ou seja, um café com a qualidade melhor que a do tradicional e com maior valor agregado. O que diferencia o superior de um tradicional é a pontuação de qualidade e a presença de poucos defeitos no blend.

Café Gourmet

Já o café gourmet, não tem defeitos. Para ser gourmet de verdade, o café comercializado não pode apresentar nenhum grão com defeitos. Dessa forma, a qualidade geral testada pelos provadores atinge médias altas, maiores que 7,3. Os blends Dupier se encaixam na categoria Gourmet, com grãos selecionados e um programa de qualidade rigoroso em todas as características do produto: bebida, torra, moagem, sabor, corpo, aroma e tipo de café.

Esses novos programas para a qualidade do café consumido internamente, e suas modificações com o passar dos anos, demonstram um aumento significativo dos consumidores brasileiros que deixaram de buscar no café apenas um passatempo cotidiano e, sim, um prazer diário.

Se você se encaixa neste perfil de consumidor está na hora de provar os blends Dupier!

Leave a Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

0
mulher tomando café com cafeínaxícaras de café especial dupier